Os cibercriminosos estão crescendo fenomenalmente. Os profissionais de segurança cibernética e a polícia, no entanto, estão em número deprimente. Isso ocorre porque a segurança cibernética, em sua maior parte, é uma área relativamente nova da tecnologia da informação, recentemente superada pelo número crescente de fraudes e golpes na Internet, roubos cibernéticos, falhas de sistema e outras formas de ataques cibernéticos. A falta de foco nessa área inevitavelmente resultou em um número limitado de especialistas em segurança cibernética. Hoje, há uma necessidade premente de criar mais e novos empregos de segurança cibernética, o que esperamos que possa alavancar o aumento incontrolável de crimes cibernéticos.

Crescimento da indústria
Agora que os computadores e a Internet se tornaram partes integrantes das transações e da execução de funções em muitas empresas e organizações — inclusive o governo —, mais pessoal e especialistas em segurança cibernética são necessários para manter sistemas e informações confidenciais fora do alcance dos cibercriminosos. Isso significa a criação de mais empregos, o que também significa o crescimento da indústria de segurança cibernética.

Esses empregos são necessários para os setores público e privado. Os cargos governamentais são mais inclinados à aplicação da lei, proteção militar e estatal. Os empregos no mundo corporativo, por outro lado, estão disponíveis em possivelmente todos os setores – que incluem negócios e comércio, bancos e fabricação de alimentos – para resolver todos os tipos de crimes cibernéticos. A crescente dependência da maioria das empresas da tecnologia da informação abre mais oportunidades de trabalho.

Treinamento exigido
As escolas agora veem a necessidade e estão começando a oferecer programas de graduação em segurança cibernética, embora a maioria das escolas ainda identifique esses cursos em termos diferentes, como segurança de rede e segurança da informação.

Alguns alunos obtêm diplomas de associado e imediatamente aceitam um emprego, enquanto outros continuam seu caminho para o nível universitário. Ainda assim, outros fazem mestrado ou doutorado. Alguns permanecem na academia para orientar futuras gerações de especialistas em segurança cibernética.

A segurança cibernética não é apenas sobre computadores e nada mais. Também envolve muita matemática e leis. É por isso que os profissionais de segurança cibernética também vêm de outras áreas, como engenharia e aplicação da lei. Um profissional de segurança cibernética, por exemplo, precisa abordar a criptografia de dados com muitos princípios matemáticos. Outros profissionais, por outro lado, são encarregados de defender a justiça e participar de procedimentos legais, portanto, devem estar bem familiarizados com as leis cibernéticas.

Vagas de emprego
Os trabalhos de segurança cibernética têm nomes diferentes: analista técnico de segurança cibernética, cientista de pesquisa de segurança cibernética e analista de política de segurança cibernética, entre outras coisas. Nos próximos anos, espera-se que mais títulos sejam definidos e estruturados à medida que a indústria começa a se expandir. Mas um desenvolvimento recente na indústria de segurança cibernética provou que ela tem uma forte presença na comunidade. Alguns anos atrás, o cargo de Chief Security Officer recebeu uma nova descrição do trabalho. Além de manter as propriedades físicas de uma empresa, ele também é responsável por proteger suas informações e dados eletrônicos.

A tarefa de proteger infraestruturas e sistemas dependentes de computador é um processo complexo, razão pela qual são necessários treinamento rigoroso e ampla experiência. Os trabalhos de segurança cibernética combinam o trabalho de um policial, investigador e cientista da computação.

Empolgante pode parecer, e talvez seja, mas a dedicação e a vontade de preservar a integridade das transações cibernéticas devem ser a principal motivação.